Estrada, Internacional

Wollongong 2022: A batalha do contrarrelógio

Wollongong 2022: A batalha do contrarrelógio

Nesta madrugada começa a ação em Wollongong, em Nova Gales do Sul, palco dos campeonatos do mundo de 2022. Tal como no ano passado o programa abre com as provas de contrarrelógio individual, desta vez com elites femininas e masculinos a correrem no mesmo dia e no mesmo percurso. 

Será um percurso de apenas 34 kms (com a particularidade de serem duas voltas num percurso de apenas 17 kms), sendo o mais longo de sempre em mundiais para as senhoras, mas em contrapartida o terceiro mais curto da história para os homens (atrás de Bergen em 2017 e Imola em 2020). Não é um percurso propriamente fácil, com uma curta subida de menos de um quilómetro e muitos quilómetros dentro da cidade, com mais de vinte curvas de 90 graus e apenas uma reta relativamente longa para quem for mais forte a rolar impor a sua potência.

Este contrarrelógio tem 34 quilômetros de extensão, divididos em duas voltas de 17 quilômetros. Será complicado com 26 curvas, mas ainda assim rápido por causa das estradas largas das cidades australianas como Wollongong. A principal dificuldade do circuito está na subida de 650m do Monte Ousley a uma média de 6,8% para subir duas vezes e um longo retorno no plano, numa reta mais longa. O percurso pode ser facilmente dividido em 3 partes: a parte técnica para começar, a parte física com a subida e a parte para os especialistas puros na aproximação à meta. O vento deve ter um papel importante, pois será de oeste e, portanto, deve ser frontal em grande parte das fases a subir do percurso.

Análise de Flaviene Soenen, Diretor de Performance da Equipa da FDJ

Written by - - 160 Views

Páginas: 1 2 3

No Comment

Please Post Your Comments & Reviews

O seu endereço de email não será publicado.