Ciclocrosse, Internacional

Superprestige Gullegem: Vitória tranquila de Van Aert

Superprestige Gullegem: Vitória tranquila de Van Aert

Depois de mais uma semana preenchida com dois dias duros e espetaculares de ciclocrosse em Herentals e Koksijde, a caravana seguiu a todo o vapor até Gullegem, para a sétima e penúltima prova do Superprestige.

Depois dos traçados exigentes das últimas duas jornadas a meio da semana, o circuito de Gullegem antagoniza um pouco essa tendência, particularmente porque a meteorologia não colaborou nos últimos dias. E no ciclocrosse, quando a meteorologia não colabora é sinónimo de que a chuva não tem aparecido, ou se o fez, sem a intensidade necessária para proporcionar uma festa na lama, como o foi no ano passado. Ainda assim, em maior ou menor quantidade, ela está sempre presente. Este é um percurso plano, que, sem muita chuva, é percorrido maioritariamente sobre zonas de solo mais duro, com alguma relva até, que permite aos crossers debitar alguma potência e aumentar a velocidade. No entanto, muitas destas zonas rápidas terminam em curvas e contracurvas apertadas, que põe também à prova a técnica e explosividade dos atletas. Já na segunda parte da corrida, o percurso endurece um pouco mais, com uma caixa de areia, com algumas secções de pequenas colinas com curvas apertadas à mistura e um troço mais pesado com bastante lama na segunda passagem pelo posto de material, que irão separar o trigo do joio.

Com a ausência de Mathieu Van der Poel e Tom Pidcock, o máximo favorito ao dia de hoje era indubitavelmente Wout Van Aert (Jumbo-Visma), que tem estado numa forma soberba e tinha aqui uma oportunidade de ouro para registar o seu nome no quadro de vencedores da prova de Gullegem. Os restantes lugares do pódio iriam ser disputados entre aqueles que também estão a lutar pela vitória à geral do Troféu Superprestige, nomeadamente Lars Van der Haar (Baloise Trek Lions), Michael Vanthourenhout e Eli Iserbyt (Pauwels Sauzen-Bingoal). Laurens Sweeck (Crelan-Fristads), outro dos que disputa(va) a classificação do Superprestige, foi forçado a abdicar desta prova devido, também, a problemas físicos nas costas.

Logo na primeira volta da corrida viria a destacar-se o grupo de ciclistas que iria a discutir a vitória no dia de hoje, com os previsíveis Van Aert, Vanthourenhout, Iserbyt, Van der Haar e o surpreendente Felipe Orts (Burgos-BH). No entanto, vimos um Van Aert com uma abordagem diferente, tal como tinha dito momentos antes da partida (devido à ausência de Van der Poel), seguindo na roda dos restantes colegas de grupo.

Vanthourenhout tentou surpreender toda a gente ao aumentar o ritmo na segunda volta, abrindo um espaço de alguns segundos, mas a perseguição que Van Aert encetou foi suficiente para o alcançar durante a terceira volta, mas também para fazer descolar Orts. Foi ainda na terceira volta que, na segunda passagem pelo posto de material, Van Aert aproveitou a troca de bicicleta dos restantes companheiros de grupo para lançar um ataque, que teve o condão de descartar Van der Haar, e pressionar Iserbyt para se manter em contacto com os campeões belga e europeu.

 O momento decisivo viria a acontecer na quinta volta, quando na passagem pela caixa de areia, e tirando o melhor proveito de um erro e de um furo na roda dianteira de Vanthourenhout, Van Aert imprimiu um ritmo forte, que manteve nas longas retas seguintes, beneficiando da maior potência que consegue debitar, em comparação com os mais franzinos Iserbyt e Vanthourenhout.

A partir daqui, pouco mais há a contar da história da corrida, e ao fim de nove voltas (e de 1:03:03 h), Van Aert viria a provar, novamente, o doce sabor da vitória, a terceira consecutiva no Troféu Superprestige, depois de Heusden-Zolder e Diegem, e a sétima em um mês de competição na presente temporada. Iserbyt viria a fechar na segunda posição, a 23 segundos, e Vanthourenhout foi terceiro, a 42 segundos.

Na classificação geral do Superprestige, Van der Haar continua no primeiro lugar, com 90 pontos, seguido de Vanthourenhout, com 84 pontos e de Iserbyt, com 83. A ausência de Sweeck no dia de hoje faz com que já não consiga, matematicamente lutar pela vitória no troféu, pelo que a discussão será entre os três que atualmente completam o pódio.

Amanhã corre-se a prova da Taça do Mundo de Zonhoven, e em Portugal teremos a prova do Campeonato Regional de Ciclocrosse da ACPorto, em Labruge.

Foto: PhotoNews

Written by - - 105 Views

No Comment

Please Post Your Comments & Reviews

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *