Estrada, Nacional

Clássica da Arrábida: Um percurso ondulado no regresso das equipas internacionais!

Clássica da Arrábida: Um percurso ondulado no regresso das equipas internacionais!
Clássica da Arrábida
Cartaz da Clássica da Arrábida.
Fonte: Organização da prova

A sétima edição da Clássica da Arrábida irá sair para a estrada, amanhã, ligando Setúbal a Palmela. A grande novidade é o facto de este ano a prova não contar com os já habituais setores de sterrato que compunham o traçado das últimas edições.

Em prova estarão representadas 16 equipas: 1 equipa UCI ProTeam (Caja Rural–Seguros RGA); 3 equipas Continental UCI estrangeiras (Illes Balears Arabay Cycling, Lubelskie Perła Polski e Team Storck – Metropol Cycling); as 9 equipas Continental UCI portuguesas (ABTF Betão – Feirense, AP Hotels & Resorts / Tavira / SC Farense, Aviludo – Louletano – Loulé Concelho, Credibom / L.A. Alumínios / Marcos Car, Efapel Cycling, Kelly / Simoldes / UDO, Radio Popular – Paredes – Boavista, Sabgal / Anicolor e Tavfer – Ovos Matinados – Mortágua) e, ainda, as 3 melhores equipas de Clube/Sub-23 no ranking (CCL / Matdiver / Anastácio Mendes & Mendes, Lda., Óbidos Cycling Team e PORTOS WINDMOB).

Tudo o que precisas de saber sobre o percurso!

O percurso, que será bastante ondulado no último terço de corrida, contará com 175,1 quilómetros e ligará Setúbal a Palmela. A prova contará com 3 Prémios de Montanha (Alto da Serra, Sesimbra e Alto das Necessidades) já nos últimos 50 quilómetros, todos eles de 3.ª Categoria.

Clássica da Arrábida
Perfil da Clássica da Arrábida.
Fonte: Organização da prova

A prova irá ter um início tranquilo sem grandes obstáculos orográficos, no entanto à medida que se irá avançando no conta-quilómetros o terreno irá começar a endurecer. As decisões estarão guardadas para o último terço da jornada, começando logo pelo encadeamento entre o Alto da Serra e Sesimbra que promete fazer as primeiras divisões no pelotão, além das descidas vertiginosas que também terão uma palavra a dizer nesse encurtar de pelotão. Porém, o prato principal estará guardado para o Alto das Necessidades que se situará a 11 quilómetros da meta e poderá ser o ponto fulcral da prova, visto que desde esse ponto até à meta não haverá grande espaço de recuperação. De referir, ainda, que a chegada, em Palmela, será efetuada em ligeira subida.

Segmento de Strava do Alto das Necessidades.

A meteorologia estará do lado dos ciclistas, no dia de amanhã, esperando-se temperaturas amenas, bastante agradáveis, e pouco vento.

Os nomes a ter em conta para a disputa da prova e algumas possíveis surpresas!

A prova será propícia à chegada de um pequeno grupo à linha de meta, não sendo esperada uma chegada em sprint compacto, sendo assim terão uma palavra a dizer nomes como: Afonso Eulálio (ABTF Betão – Feirense); Francisco Campos (AP Hotels & Resorts / Tavira / SC Farense); Nicolás Tivani (Aviludo – Louletano – Loulé Concelho); Luís Fernandes (Credibom / L.A. Alumínios / Marcos Car); Abner González e Tiago Antunes (Efapel Cycling); Luís Gomes (Kelly / Simoldes / UDO); Hugo Nunes, César Fonte e Francisco Peñuela (Radio Popular – Paredes – Boavista); Rafel Reis, Oliver Rees e André Carvalho (Sabgal / Anicolor) e, ainda, Bruno Silva (Tavfer – Ovos Matinados – Mortágua) poderão ser os maiores candidatos a erguerem os braços na Avenida da Liberdade.

Sendo esta uma prova que conta com equipas internacionais, é expectável que também sejam algumas das protagonistas da prova. O último vencedor da prova, Orluis Aular (Caja Rural–Seguros RGA), não estará presente na linha de partida, no entanto a estrutura espanhola apresentará Eduard Prades e Thomas Silva como grandes nomes para revalidar o título da equipa de Pamplona. As restantes equipas internacionais trazem nomes como: Sergi Darder (Illes Balears Arabay Cycling); Paweł Szóstka, Adam Kuś e Kacper Majewski (Lubelskie Perła Polski) e Ole Theiler e Max Märkl (Team Storck – Metropol Cycling), que poderão ser os melhores ativos das respetivas equipas.

Quem irá suceder a Orluis Aular (Caja Rural – Seguros RGA)?
Foto: João Fonseca Photographer / UVP – Federação Portuguesa de Ciclismo

Algumas das surpresas da prova da Arrábida, e nomes a ter em atenção, poderão ser: Pedro Silva (ABTF Betão – Feirense); Miguel Salgueiro (AP Hotels & Resorts / Tavira / SC Farense); Tomas Conte (Aviludo – Louletano – Loulé Concelho); José María Martín Muñoz (CCL / Matdiver / Anastácio Mendes & Mendes, Lda.); Alexandre Montez (Credibom / L.A. Alumínios / Marcos Car); Henrique Casimiro e Joaquim Silva (Efapel Cycling); Francisco Guerreiro (Kelly / Simoldes / UDO); Theodor Obholzer (Óbidos Cycling Team); Hélder Gonçalves (Radio Popular – Paredes – Boavista) e Artem Nych (Sabgal / Anicolor).

A Portuguese Cycling Magazine estará, no terreno, a acompanhar a partida e chegada da prova e a viver as emoções da corrida. Estejam atentos ao nosso Instagram, no dia de amanhã, para um dia recheado de conteúdo!

Foto de Capa: João Fonseca Photographer / UVP – Federação Portuguesa de Ciclismo

Written by - - 364 Views

No Comment

Please Post Your Comments & Reviews

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *