Estrada, Nacional

Antevisão da Volta ao Alentejo

Antevisão da Volta ao Alentejo

A 39ª edição da Volta ao Alentejo – Delta Cafés está de volta à estrada na sua data habitual depois de em 2021 ter sido celebrada em junho. A edição de 2022 da ‘Alentejana’ irá contar com 19 equipas: 3 equipas ProTeams, 10 equipas continentais UCI portuguesas, 3 equipas continentais UCI estrangeiras e 3 equipas sub23/clube portuguesas.

O percurso será maioritariamente plano e serão percorridos 724 quilómetros desde amanhã até domingo. Teremos 4 etapas planas e um contra-relógio em torno de Castelo de Vide que, em princípio, será o palco de todas as decisões da prova. A prova contará, ainda, com bonificações nas chegadas das restantes 4 etapas em linha.

A primeira etapa ligará Vendas Novas a Sines, numa extensão de 176,7 quilómetros, e contará com 3 contagens de montanha (de 4ª categoria) e 3 metas volantes. É a etapa que contará com mais contagens de montanha da prova, no entanto nenhuma delas causará problemas aos sprinters.

Perfil da 1ª etapa.
Fonte: Website da Volta ao Alentejo

A segunda etapa, que será a maior da prova, ligará Beja a Portel numa extensão de 187,7 quilómetros. A etapa conta com 1 contagem de montanha (de 4ª categoria) e 3 metas volantes. A chegada será em falso plano, mas volta a não se prever grandes dificuldades para os sprinters.

Perfil da 2ª etapa.
Fonte: Website da Volta ao Alentejo

A terceira etapa ligará Elvas a Ponte de Sor e contará com 3 metas volantes e 1 contagem de montanha, de 4ª categoria, e que estará a 30 quilómetros da meta, no entanto após a passagem nessa única dificuldade a restante tirada é plana até ao fim.

Perfil da 3ª etapa.
Fonte: Website da Volta ao Alentejo

O dia onde tudo se poderá decidir será a quarta etapa com o já habitual crono em Castelo de Vide que irá, provavelmente, marcar as maiores diferenças na prova. Os 8,4 quilómetros do percurso contam com algumas inclinações, não sendo um contra-relógio totalmente plano.

Perfil da 4ª etapa.
Fonte: Website da Volta ao Alentejo

Para finalizar a prova, a quinta etapa irá ligar Castelo de Vide a Évora numa extensão de 171,9 quilómetros. Mais uma vez irão existir 3 metas volantes e 1 contagem de montanha de 4ª categoria. A chegada a Évora não é totalmente plana, mas não deverá causar grande diferenças entre os ciclistas.

Perfil da 5ª etapa.
Fonte: Website da Volta ao Alentejo

Relativamente a ciclistas que poderão estar bem nas chegadas ao sprint, os grandes nomes são: Luís Mendonça (Glassdrive / Q8 / Anicolor), Mihkel Räim (Burgos – BH), Iúri Leitão e Orluis Aular (Caja Rural – Seguros RGA), Juan José Lobato e Mikel Aristi (Euskaltel – Euskadi), Rafael Silva (EFAPEL Cycling), Daniel Freitas e César Martingil (Radio Popular – Paredes – Boavista), Luís Gomes (Kelly – Simoldes – UDO) e Leangel Linarez (Tavfer – Mortágua – Ovos Matinados).

Para o contra-relógio alguns dos nomes a ter em conta, serão: Rafael Reis (Glassdrive / Q8 / Anicolor), Xabier Mikel Azparren (Euskaltel – Euskadi), José Neves (W52 – FC Porto) e Tiago Antunes (EFAPEL Cycling). A geral da corrida poderá estar entre estes nomes, no entanto não é de se descorar que algum dos sprinters consiga ganhar a geral da prova.

Os dados estão lançados para mais uma edição da ‘Alentejana’ que estará na estrada até domingo e que não terá o vencedor em título, Mauricio Moreira, em prova.

Written by - - 88 Views