Estrada, Internacional

Adam Yates vence luta fraternal e é o primeiro líder do Tour

Adam Yates vence luta fraternal e é o primeiro líder do Tour

Bilbao apadrinhou a vitória de Adam Yates (UAE Team Emirates) na primeira etapa da edição 110 da Volta a França, que discutiu a etapa com nada mais, nada menos que o seu irmão Simon Yates (Team Jayco AlUla). Tadej Pogačar (UAE Team Emirates) venceu o sprint no grupo perseguidor, que também incluía Jonas Vingegaard (Jumbo-Visma).

A Volta a França abriu logo com uma tirada particularmente difícil. No País Basco, uma região onde a paixão pelo ciclismo fervilha, o pelotão da La Grande Boucle teria pela frente 182 quilómetros em redor da cidade de Bilbao. No traçado estavam desenhadas cinco subidas categorizadas, três das quais situadas nos últimos quarenta quilómetros da etapa: o Col de Morga (3,8 km a 4,8%), o Côte de Vivero (4,3 km a 6,9%) e o Côte de Pike (2,2 km a 9,9%), esta última situada a cerca de 10 quilómetros do risco de meta.

Fuga com pouco pelo que lutar

A fuga estabeleceu-se pouco depois da bandeirada que assinalava a partida real, destacando-se cinco homens: Pascal Eenkhoorn (Lotto Dstny), Simon Guglielmi (Arkéa-Samsic), Jonas Gregaard (Uno-X), Valentin Ferron (TotalEnergies) e Lillian Calmejane (Intermarché-Circus-Wanty). Com o controlo da Alpecin-Deceuninck , Soudal Quick-Step e Jumbo-Visma no pelotão, a vantagem da dianteira nunca ascendeu acima dos 2:50 minutos. Assim, os fugitivos competiram apenas pelos pontos da montanha, e apenas aqueles disponíveis nas duas primeiras subidas pontuáveis. Gregaard venceu a primeira à frente de Eenkhoorn, enquanto o neerlandês foi o primeiro no topo da segunda.

Nos meados da etapa, o pelotão aproximou-se rapidamente do grupo da frente. A distância entre os dois grupos ainda se manteve na ordem das duas dezenas de segundos durante alguns quilómetros, mas a cerca de 50 quilómetros do fim, e ainda antes das três subidas finais, os cinco fugitivos foram absorvidos por um pelotão agitado.

Pelotão agitado e dois líderes ao chão

O Col de Morga serviu apenas para cansar as pernas, enquanto alguns dos homens rápidos do pelotão iam já perdendo o contacto, confirmando que o dia era mesmo para os homens da geral. Na subida seguinte, o Côte de Vivero, o ritmo aumentou consideravelmente, imposto pela equipa da UAE Team Emirates, por intermédio de Mikkel Bjerg. Quando Bjerg terminou, foi a vez de Dylan van Baarle (Jumbo-Visma) passar a comandar o pelotão. Os metros finais da subida foram palco da luta pela camisola das bolinhas (símbolo da classificação da montanha), com Neilson Powless (EF Education-EasyPost) a superiorizar-se a Georg Zimmermann (Intermarché-Circus-Wanty) ao sprint. Considerando a categoriazação do Côte de Vivero (2ª categoria), o norte-americano conquistou os pontos necessários para se sagrar o primeiro líder da classificação da montanha deste Tour. De destacar a queda que envolveu dois dos grandes candidatos ao pódio final, Richard Carapaz (EF Education-EasyPost) e Enric Mas (Movistar). Carapaz restabeleceu-se, mas perdeu algum tempo precioso, enquanto Mas viria mesmo a abandonar a corrida.

O momento das decisões

E foi assim que o pelotão seguiu para a última, e decisiva, subida do dia, o Côte de Pike. Ali, Felix Großschartner (UAE Team Emirates), cedo se destacou do grande grupo, deixando antever um ataque por parte do seu líder, e obrigando a Jumbo-Visma a perseguir. Rapidamente foi apanhado, mas pouco depois seria Adam Yates a impor um ritmo alto. Tão alto, que apenas três ciclistas o conseguiram acompanhar: o colega Pogačar, Vingegaard e… Victor Lafay (Cofidis). A quatrocentos metros do topo, Pogačar assumiu a liderança, mas não se conseguiu livrar dos restantes elementos do grupo. Simon Yates, Adam Yates, Mattias Skjelmose (Lidl-Trek) e David Gaudu (Groupama-FDJ) conseguiram reentrar logo após a contagem de montanha, mas os gémeos Yates mantiveram-se pouco tempo no grupo.  Enquanto a dupla fraterna atacava e se distanciava, o grupo perseguidor ia crescendo, com a entrada de quase uma dezena de elementos.

A dupla fraternal não mais foi alcançada, e a vitória na etapa, e a liderança da corrida, viria mesmo a ser discutida entre eles. Na última rampa, Simon cedeu, abrindo assim a porta ao seu irmão Adam, que cruzou assim o risco de meta com 4 segundos de vantagem. O grupo perseguidor fechou a 12 segundos do vencedor, encabeçado por Pogačar. Quanto aos portugueses em prova, o melhor classificado foi Nelson Oliveira (Movistar), na 63ª posição, a 4:59 minutos; Rui Costa (Intermarché-Circus-Wanty) foi 80º, a 8:36 minutos e Ruben Guerreiro (Movistar) chegou no 86ª lugar, a 9:42 minutos.

Na classificação geral, a ordem do pódio replica a da etapa, com Adam Yates com 8 segundos de vantagem sobre Simon Yates e 18 segundos sobre Pogačar. O líder da classificação dos pontos é também Adam Yates; a camisola das bolinhas pertence a Powless e a juventude, sem surpresa, está já no corpo de Pogačar.

Written by - - 442 Views

No Comment

Please Post Your Comments & Reviews

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *